FALE CONOSCO

31   3270-3999

WhatsApp

31 99915-7431

Concurso

Dicas para o concurso do Senado Federal

O concurso para o Senado, com inscrições abertas até 5 de fevereiro, chamou a atenção de muita gente. Os salários são altíssimos (entre R$ 13,8 mil e R$ 23,8 mil), o que está fazendo muito concurseiro pensar seriamente na possibilidade de morar em Brasília – todas as vagas são para lá.

São quatro editais independentes, para cargos diferentes, com requisitos, atribuições e salários distintos. Em todos eles a banca será a Fundação Getúlio Vargas.

As provas da primeira fase para todos os cargos estão previstas para o dia 11 de março e acontecerão nas 26 capitais e no Distrito Federal. Já as fases subsequentes, quando houver, serão realizadas somente em Brasília.

Exceto no caso dos candidatos ao cargo de polícia do senado (edital 4), todos os outros deverão optar, no momento da inscrição no concurso, pelo cargo/área/especialidade e subárea (quando for o caso).

Candidatos que vinham estudando para outras áreas devem avaliar o edital para decidir se vale a pena fazer os ajustes na programação e se candidatar a uma dessas vagas. É importante observar também o tipo de atribuições do cargo escolhido, a fim de verificar se o seu perfil é compatível com o que será a sua futura atividade.

EDITAL 1: Consultor legislativo – 9 vagas
Salário de R$ 23.826,57
Graduação em qualquer área e registro no conselho respectivo, se for o caso.
Três etapas: prova objetiva, prova discursiva e prova de títulos

Candidatos que vinham se preparando para a área fiscal e tenham segurança no uso da língua portuguesa podem pensar em alterar um pouco o foco e aproveitar a oportunidade, já que boa parte das matérias faz parte da sua programação habitual de estudo. A escolha da área de atuação deve ser feita com cuidado, já que isso vai definir os assuntos cobrados nos conhecimentos específicos.

O candidato deve manter o foco na primeira etapa do concurso a fim de obter o melhor resultado, porque somente os 20 mais bem colocados seguirão para a segunda fase.

As provas objetivas constarão de questões de português, conhecimentos gerais (pontos de história e atualidades), direito constitucional e direito administrativo, administração e políticas públicas, raciocínio lógico (com abordagem diferente do que costuma ser cobrado normalmente e com pontos de matemática e estatística) e inglês (também com abordagem mais profunda do que a usual).

Além disso, haverá 30 questões referentes aos conhecimentos específicos da área de atuação escolhida. Há pontuação mínima exigida por disciplina ou grupo, e no total da prova (60%, que significam 48 acertos). Português (15 questões) e conhecimentos específicos (30 questões) juntos representam mais de 50% da prova (80 questões) e isso deve ser levado em conta na distribuição do tempo de estudo.

A segunda fase do concurso acontecerá em Brasília, com data prevista para 29 de abril e consistirá em uma prova discursiva dividida em dissertação, resumo, tradução (inglês e espanhol para português), parecer e questão dissertativa ou discurso. A prova terá dois turnos, com 4h e meia cada. Os critérios de correção são bastante rigorosos, e detalhados por espécie de texto. Para essa etapa, o candidato deverá fazer um investimento específico com relação à escrita nos formatos cobrados e revisar a teoria estudada na etapa anterior.

Os candidatos que participarem da prova discursiva poderão apresentar títulos para pontuação. Serão considerados doutorado, mestrado e pós-graduação com 360 horas, todos na especialidade escolhida.

EDITAL 2: Analista legislativo – 133 vagas
Salário de R$ 18.440,64

Nível superior em qualquer área para as especialidades de processo legislativo, taquigrafia, administração e comunicação social (produtor de multimídia). Para as outras especialidades é exigida formação na área específica-engenharia, medicina, ciências contábeis, psicologia e outras. É exigido o registro no conselho respectivo, se for o caso.

Primeira etapa: prova objetiva e discursiva; apenas para a especialidade taquigrafia, haverá prova prática, em Brasília, prevista para 20 de maio.
Este é um edital interessante para quem estava estudando com foco em analista de tribunais, desde que o candidato escolha uma área de atuação cujo conteúdo seja do seu domínio.

As provas objetivas constarão de 20 questões de português e 10 de inglês (também com abordagem mais profunda) para todos os cargos. A parte de conhecimentos gerais (10 questões) para a área de apoio técnico ao processo legislativo inclui raciocínio lógico, pontos de matemática e atualidades. Para a área de comunicação social, o conteúdo inclui história do Brasil e atualidades. Para as demais áreas serão pontos de direito constitucional, direito administrativo, atualidades e legislação específica.

Além disso, para todos haverá 30 questões referentes aos conhecimentos específicos da área de atuação escolhida. O candidato precisará acertar, no mínimo, 50% de cada prova (português, inglês, conhecimentos gerais e conhecimentos específicos), sendo que as 40 questões de conhecimentos específicos valerão peso 2. Essa disciplina representará 2/3 do total de pontos e, portanto, deverá receber especial atenção na distribuição do tempo de estudo.

A prova discursiva acontecerá na mesma data da objetiva e constará de uma redação e uma questão dissertativa. Serão corrigidas as provas dos classificados na objetiva em até 10 vezes o número de vagas por cargo/área/especialidade e subárea.

EDITAL 3: Técnico legislativo – 79 vagas
Salário de R$ 13.833,64
Nível médio ou médio-técnico em enfermagem, saúde bucal ou eletrônica/telecomunicações, com registro no conselho, quando for o caso.
Uma etapa: prova objetiva e discursiva

Neste caso, quem estava estudando com foco em tribunais poderá pensar em ajustar o foco para este concurso, escolhendo criteriosamente a área de atuação para que possa ter bom desempenho no que será cobrado como conhecimento específico.

As provas objetivas constarão de 20 questões de português (com peso 2), 10 de conhecimentos gerais (inclui atualidades, pontos de direito administrativo e de direito constitucional, e legislação específica), 10 de informática e 30 (com peso 2) de conhecimentos específicos referentes à área de atuação escolhida.

O candidato precisará acertar, no mínimo, 50% de cada prova (português, conhecimentos gerais, informática e conhecimentos específicos). Vale observar que, também nesse caso, as questões de conhecimentos específicos representarão 50% do total de pontos (120).
A prova discursiva acontecerá na mesma data da objetiva e constará de uma redação e uma questão dissertativa. Serão corrigidas as provas dos classificados na objetiva em até 15 vezes o número de vagas por cargo/área/especialidade e subárea.

EDITAL 4: Técnico legislativo – área de polícia legislativa – 25 vagas
Salário de R$ 13.833,64
Nível médio e carteira de habilitação na categoria B
Cinco etapas: prova objetiva e discursiva, prova de aptidão física, avaliação psicológica, investigação social documental e curso de formação; exceto a primeira, todas as outras são somente eliminatórias e só serão submetidos às mesmas os candidatos aprovados nas etapas anteriores.

Este é um edital típico da área de segurança e os candidatos que já estudam com esse foco poderão aproveitar a oportunidade.

As provas objetivas constarão de 20 questões de português (com peso 2), 10 de conhecimentos gerais (inclui atualidades, pontos de direito administrativo e de direito constitucional, e legislação específica), 10 de informática e 30 de conhecimentos específicos (com peso 2). O candidato precisará acertar, no mínimo, 50% de cada prova (português, conhecimentos gerais, informática e conhecimentos específicos).

Vale a mesma recomendação de priorizar o estudo desses pontos, que representam 50% do total (120) e incluem disciplinas comuns em concursos da área de segurança pública: direito constitucional, direito administrativo, direito penal e processo penal, além de ética e legislação específica.

A prova discursiva acontecerá na mesma data da objetiva e constará de uma redação e uma questão dissertativa. Serão corrigidas as provas dos classificados na objetiva em até 15 vezes o número de vagas oferecido no edital.

A prova de aptidão física deverá acontecer no dia 28/maio, em Brasília, e será antecedida por exame médico. O teste físico constará de flexões, abdominais, barras e corrida -nenhuma novidade em relação aos concursos da área. Os candidatos devem ficar atentos para iniciarem de imediato a preparação para essa prova, já que o corpo precisa de um tempo para se adaptar ao esforço.

O candidato aprovado na prova física passará pela investigação social documental e, se apto, participará do curso de formação, que é a etapa final.

* LIA SALGADO, colunista do G1, é fiscal de rendas do município do Rio de Janeiro, consultora em concursos públicos e autora do livro “Como vencer a maratona dos concursos públicos”

 


Informativos Mega

Para receber nossos informativos pelo whatsapp, pedimos por gentileza, que adicione nosso número em seus contatos: 31-99728-5431